Pessoal



Arquivado em cabelos, Pessoal - por

Durante toda essa semana eu postei lá no meu Instagram (me segue lá @Elfinha) os produtos que eu selecionei para usar diariamente e recuperar meus cabelos, criando então a #1SemanaDeRecuperacaoCapilar! Tecnicamente eu não sei se eu poderia chamar o que eu fiz de cronograma capilar, mas eu como leiga no assunto considerei como se fosse, pois eu fiz uma seleção de produtos, um cronograma em um caderninho e fui usando e postando o que eu estava fazendo dia a dia.

cronograma capilar

Meus cabelos não estão no pior momento, mas estão caindo demais, a raiz está muito oleosa e as pontas secas, por conta da tintura. Como eu estou em uma fase onde tive que parar de pintar, por conta da gravidez (contei lá no instagram) e a Yenzah, uma marca super parceira do Blog, me convidou para participar de um desafio eu juntei o útil ao agradável e escolhi, para fazer meu cronograma, os produtos da marca.

Acredito que dentro de uma mesma marca os produtos se complementem fazendo com que o resultado seja melhor e mais positivo! E assim criei meu cronograma para a semana, que hoje chegou ao fim…

Cronograma capilar:

cronograma capilar
Segunda-Feira:
Levei para dentro do box o shampoo e condicionador da Linha OM (Óleo de Marrocos). Como dentro os produtos da marca que eu tinha em casa, esses eram os únicos completos de uso diário – dupla shampoo e condicionador – resolvi usá-los diariamente para limpeza dos cabelos e nos dias seguinte complementar com produtos de tratamento.

Terça-Feira:
Para começar a fase de tratamento escolhi a ampola Power Queratina Superdose Imediata, que hidrata, não possui parabenos e não é testada em animais. Alias, nenhum dos produtos da marca são ou foram testados em animais!!!
Usei como indicado na embalagem, lavei os cabelos normalmente com o shampoo, apliquei metade da quantidade da ampola, massageei bem, aguardei uns 3 minutos e depois usei condicionador e enxaguei bem.

Quarta-Feira:
Na quarta eu tinha mais tempo livre e resolvi hidratar os cabelos! Foram uns 20 minutinhos com a máscara Power Whey Bomb Cream nos fios, depois lavei bem e nem usei o condicionador, pois não achei necessário. Essa máscara leva aos cabelos uma recarga máxima de vitaminas A, E e F. As vitaminas são essenciais para o crescimento, a nutrição e o tratamento dos cabelos.

Quinta-Feira:
Depois da power hidratação de ontem, hoje resolvi deixar os cabelos mais tranquilos e com menos produto. Lavei normalmente para limpar a oleosidade da raiz e depois de tirar o excesso de água usei o finalizador Whey Fit Cream, que é um leave in com filtro solar e proteção térmica, perfeito para usar durante o verão, antes do secador e da chapinha. Esse produto cuida e protege todos os tipos de cabelos, além de ajudar a repor massa capilar, hidratar os fios, dar brilho e maciez aos cabelos.

Sexta-Feira:
Mais um dia de ampolinha!!! Só que hoje eu mudei para a de Pós Química, que reconstrói a parte interna e externa dos fios enquanto repõe a hidratação, resgata a força e conserva as cutículas fechadas. Não fiz nenhuma química recente nos cabelos, mas como tenho tintura acho que essa ampola ia agir bem. Gosto dessas ampolas pois são práticas e rápidas de usar.

Sábado:
Hoje foi dia de passear, e como o calor e o sol estão muito fortes aqui no Rio eu resolvi usar um leave-in próprio para encarar o dia quente, que foi o da linha Amo Sol, que protege os fios do sol e das agressões dos dias quentes. Então lavei normalmente com shampoo e condicionador da linha OM, como nos dias anteriores, e após secar com a toalha espalhei o leave-in do meio dos fios para as pontas.

Domingo:
No último dia de cronograma não poderia ser diferente… hidratação! Antes de sair de casa para almoçar aproveitei que o marido foi buscar a minha sogra no mercado e tirei aqueles 20 minutinhos para bezuntar os fios com a máscara Power Whey Fit Cream, diferente da outra, essa máscara conta com ação de creatina, aminoácidos e de proteínas, então ela nutre, fortalece, hidrata e repõe a massa dos fios. O cabelo fica mais restaurado, nutrido, forte, extremamente hidratados e saudáveis.


Considerações finais:

É claro que depois dessa semana de muitos cuidados a oleosidade não sumiu, mas a parte dos fios que possuem tintura estão bem diferentes, e as pontas mudaram completamente, estão bem mais hidratadas e com a aparência mais bonita.
Também senti diferença nos cabelinhos novos, aqueles que cismam em ficar para cima e são conhecidos como “frizz”, sabe? Acho que eles ficaram mais domados e acentuados, tanto quando uso secador, quanto quando deixo secar naturalmente.

Gostei bastante do resultado final dessa semana de recuperação capilar, confesso que não foi fácil lavar os cabelos todos os dias, mas valeu a pena e com certeza repetirei a ideia quando eu sentir necessidade.

Você já fez algo parecido? Conte sua experiencia com cronograma capilar.
Beijos.

Arquivado em Papo de Blogueira, Pessoal, Saúde - por

vicio-remédio de nariz

Olá, meu nome é Dafne, tenho 32 anos e fui viciada em remédio de nariz por mais de 15 anos.

É com essa confissão que começo esse post, que faz parte da pauta saúde da blogagem coletiva Radar Carioca! Para esse tema escolhi contar um pouco da minha história como usuária de remédio de nariz e como consegui me livrar desse vício. Por completo!

Não sei exatamente quando e nem como eu comecei a usar remédio de nariz, o que sei é que fui introduzida ao vício por familiares (principalmente minha mãe, desculpa mãe!) que são/eram viciados. Só sei que por anos eu carregava comigo um vidrinho para liberar minhas narinas quando eu precisava, e eu precisava sempre, em diversos momentos do dia: ao acordar, antes de comer qualquer alimento, antes de dormir e em diversos momentos que eu notava que não estava respirando bem.

Era comum eu ter diversos frascos, um sempre ficava dentro da bolsa, outro na mesa do computador, outro no trabalho, outro na mesa de cabeceira e um na casa do Rafael. As idas a farmácia eram muitas vezes para comprar não uma, mas algumas caixas de remédio, pois minha mãe fazia um certo estoque de Sorine (e depois Neosoro) em casa. Quando íamos fazer viagens mais longas o remédio entrava na lista do que levar, costumávamos nos certificar várias vezes de que estávamos cada uma, eu e minha mãe, levando um e ela ainda colocava um fechado dentro da mala para situações de emergência.

O vício foi por anos com o Sorine, um super inofensível remédio de nariz! Afinal ele é puro soro, olha o nome dele SORine… Só que não, né?! Hahahaha… Lembro como se fosse hoje como eu fiquei super animada quando alguém me apresentou o Neosoro (puro soro também, sabe… olha o nome!), que era igual ao Sorine só que muuuito mais barato! E eu sai espalhando a novidade para os “viciado tudo”, e todos foram abandonando o amado Sorine pelo seu rival baratinho.

O uso do remédio de nariz começou a ser um problema real para mim quando eu comecei a me sentir neurótica quando não tinha um comigo. Se eu ia dormir na casa de alguém e não tinha um remédio de nariz já ficava tensa e tentava arrumar maneiras de conseguir, mesmo que fosse pegando emprestado! Alias, já usei muito Neosoro de outras pessoas, pessoas que eu mal conhecia!

Acho que o cúmulo foi quando eu estava em um shuttle, indo para um evento, e eu pedi para o motorista parar em uma farmácia para comprar um frasco… vergonha! Peço desculpas aos blogueiros que dividiram aquela van comigo.

ação remédio de nariz no corpo

Como você pode ver na imagem acima, o remédio de nariz não é só ruim pela dependência ou constrangimentos que ele causa, esses remédios também fazem mal a saúde, podendo causar arritmia, pressão alta e atá ocasionar uma trombose! E foram todos esses motivos que me fizeram largar o vício.

Como me desviciei do remédio de nariz:

Uma vez, em um momento de desespero, pedi a uma amiga o neosoro dela, e ela disse que me deixava usar, porém que estava diluído com soro fisiológico. Aceitei, no desespero que eu ficava teria aceitado mesmo se fosse diluído com arsênico, e fiquei surpresa quando me senti desentupida e respirando livremente!

Foi então que eu resolvi imitar a ideia dela, esperei um dos meus frasquinhos acabar, quando acabou eu guardei. Abri um novo e passei metade do conteúdo para o frasco vazio e completei os dois com soro. Conforme o tempo foi passando e fui me acostumando melhor com o produto diluído eu comecei a diluir mais: uma parte de Neosoro para duas partes de soro.

Fui notando que meu nariz cada vez ficava menos entupido, e eu usando menos e menos o remédio diluído. Passou o tempo, o produto acabou e não coloquei um novo na bolsa, ficando apenas o da mesa de cabeceira.

Para acabar com o vício noturno comprei um produto daqueles de lavagem nasal, que nada mais é do que soro, só que ele possui um borrifador. Fui usando ele antes de dormir no lugar do Neosoro e não senti a necessidade do descongestionante.

>>> Desviciada então fiquei. YAYYY!!!

Hoje eu só uso o produto diluído quando realmente preciso, que é o caso de quando pego uma gripe ou tenho alguma crise alérgica.

O vício acomete tantas pessoas que pesquisando no Google encontrei, facilmente, diversos memes sobre o assunto! Separei dois para ilustrar o post:

memes-remedio-de-nariz

São engraçados, são, mas só reforçam como o produto é viciante e acaba atrapalhando a vida de milhares de pessoas. Eu mesma, na época do vício, recebi essa imagem do ET, achei hilária e repassei para vários conhecidos que sei que não vivem sem um remédio de nariz.

Espero que essa dica funciona para você ou para ajudar algum conhecido que seja viciado em remédio de nariz. Se você tem alguma dica parecida com essa, que possa ajudar alguém, comente deixando sua dica! Aproveite para conferir o post das demais meninas do Radar Carioca, os links estão abaixo, e são várias dicas sobre saúde.

Beijos!


remédio de nariz assinatura-vs2-radarcarioca

  1. Claudia Speroto: Por que comer pipoca faz tão bem para saúde?!
  2. Claudiane: Os benefícios do limão pela manhã
  3. Cristina: HIT e HIIT – Treino de alta intensidade
  4. Flavia: Outubro Rosa – 9 dicas para prevenir o câncer de mama
  5. Julia Carvalho: Cosméticos Artesanais
  6. Maressa: Os benefícios do Step Para a Saúde
  7. Monique: O reflexo dos Pais na saúde mental dos filhos
Arquivado em Desabafos, Pessoal, Voluntariado - por

Em Dezembro de 2014 eu fui convidada para conhecer um pouco mais de como funcionava (sim começou bem antes dos jogos em si) e como funcionaria o trabalho dos voluntários Rio2016. Saí de lá tão empolgada e animada que cheguei em casa e fui correndo me cadastrar para fazer parte desse time.

Fui selecionada para ficar na parte de imprensa do estádio do Maracanãzinho (estádio de toda a competição de Volêi) cuidando da zona mista, que é a área por onde os atletas passam para dar entrevistas aos repórteres após os jogos.

Rio2016 voluntaria-zonamista

Desde o momento da minha inscrição, até agora, quando alguém descobre que eu sou voluntária a reação é sempre de espanto. A maioria das pessoas acha que sou otária, maluca por trabalhar de graça, comentam que o país está com a economia péssima, que as Olimpíadas não deveriam acontecer, que não compactuam com o evento etc.

Acontece, que desde o momento que foi decidido que as Olimpíadas de 2016 aconteceriam aqui no Rio de Janeiro, esse fato não mudaria, mesmo que a maioria não concordasse, mesmo que a cidade falisse etc. Então o que eu podia fazer era fazer parte do time e me esforçar para que o evento acontecesse de forma linda e impecável, e posso dizer, o meu papel eu fiz!

Imagino que você deve estar lendo isso e pensando que ainda não vale a pena trabalhar de graça, mas abaixo te dou vários motivos que mostram que eu ganhei muito sendo voluntária.

Voluntária da Rio2016:

  1. Assisti a diversos jogos de lugares privilegiadíssimos, sem precisar comprar nenhum ingresso. Ainda participarei das finais femininas e masculinas, e das premiações!
  2. Me senti útil ajudando repórteres do mundo inteiro a conseguirem fazer as matérias/fotos de suas vidas!
  3. Vi e falei com todos os atletas cara a cara, fiz “hi5”, “bate aqui”, parabenizei e senti a emoção de uma vitória.
  4. Me relacionei com pessoas de todo o mundo: Itália, EUA, Sérvia, Malásia, França, Turquia, Japão, México, Índia… e também de todo o Brasil. Uma troca de cultura que me enriqueceu muito.
  5. Treinei meu inglês como se não houvesse amanhã. Enriqueci meu vocabulário e treinei meu ouvido com diferentes sotaques e pronúncias.
  6. Recebi e dei as boas vindas aos principais repórteres de todo o mundo! William Bonner me cumprimentou com um sorriso lindo e foi simpático como sempre.
  7. Dancei, me diverti, comemorei e ri por em todos os dias que trabalhei.
  8. Troquei pin, pedi pin, ganhei pins! Comecei uma coleção nova que tem um valor imensurável para mim.
  9. Ver pela TV e depois assistir ao vivo, estar dentro dos bastidores, fazer parte, segurar a bola e entrar na quadra, não tem preço e nem explicação!
  10. Receber elogios pelo meu trabalho, ouvir que sentiram minha falta, que estavam com saudades e ver que eu fiz diferença, que eu cumpri com meus objetivos, fui útil e essencial para que tudo desse certo é simplesmente impagável!

As olimpíadas ainda não acabaram, faltam exatos 3 dias para o dia do encerramento e eu já sinto um aperto no coração, uma saudade da rotina olímpica, do clima super animado do Maracanãzinho, das musiquinhas do vôlei, dos colegas internacionais e nacionais…

Valeu cada dia que acordei muito mais cedo do que estou acostumada, valeu enfrentar a preguiça com as caminhadas diárias ao redor do Maracanã, valeu cada pedido de pin, valeu até a tristeza pela eliminação da equipe feminina… tudo o que passei vai ficar guardado para sempre no coração ❤ e na memória!

Não me arrependo de ter sido voluntária, de ter oferecido meu tempo para atuar nesse evento tão grandioso e que provavelmente não se repetirá aqui em meu país! Foi lindo, foi emocionante, deu certo!!!

Obrigada Brasil , obrigada vôlei  Rio2016 bola-volei, obrigada #Rio2016  Rio2016!